Porque você TEM que ver Six Feet Under

Eu estou planejando um texto sobre este assunto há tempos, mas creio que, agora que eu acabei de ver o Series Finale (pela segunda vez na vida, na verdade, mas agora a série parece fazer muito mais sentido), eu estou no momento certo. Deixo de antemão que pode ser que eu lance coisas parecidas com Spoilers durante o texto. Nada demais, mas pode ser que aconteça. Mas aviso também que saber spoilers de Six Feet Under não costuma tirar nem 1% do impacto de ver como determinado fato acontece e vê-lo em cena. Não é uma série sobre segredos e revelações. Aliás, o único mistério que acontece, da 3ª para a 4ª temporada, é revelado de forma tão natural e sem nenhuma expectativa que acaba não sendo impactante.

six-feet-under

O que é Six Feet Under?

Six Feet Under é uma série norte-americana produzida pelo canal de TV à cabo HBO, que costuma ser uma chancela de qualidade para séries. Ganhou um fôlego extra na popularidade ultimamente, já que o criador (Alan Ball, oscarizado pelo roteiro de Beleza Americana) é o mesmo da famosa e atual True Blood (vampirozzz) e um dos protagonistas é feito por um ator bastante em voga atualmente, Michael C. Hall, o Dexter. Foi exibida entre os anos de 2001 e 2005, e possui 5 temporadas, cada uma com 12 ou 13 episódios. São episódios grandes, com duração entre 45 e 55 minutos, sendo que season finales costumam ser maiores ainda. A série acumulou uma porrada de indicações de prêmios do começo ao fim, e ganhou alguns bem relevantes. Mas isso não importa, já que há premiações que dão título a coisas duvidosas. É difícil obter uma sinopse exata da série, mas basicamente é uma série dramática (com toques de humor negro) sobre uma família que se enraizou e cresceu em cima do negócio próprio que, no caso, é uma funerária. Um fato inesperado que ocorre já no primeiro capítulo faz com que esta família tenha que lidar com uma espécie de reunião e com a convivência, que, aparentemente, há um tempo não existe. Como marca principal, a série tem apresenta o fato de que sempre começa mostrando uma morte – fato este que pode ter uma pequena ou uma relevante participação nos eventos ocorrentes nas vidas dos personagens. Não é uma série que dá pra assistir episódios avulsos, já que apresenta uma história contínua e infinitamente mais complexa do que o que pode se supor por um ou dois episódios avulsos. Mas nada disso realmente interessa.

O que realmente interessa?
Interessa que Six Feet Under é muito mais que uma série de TV. É um retrato contundente e com um nível de fidelidade absurdo sobre pessoas – muito mais do que 99% dos filmes são, já que já começa tendo como vantagem a duração de umas 50 horas. E, portanto, sobre a vida. E, como tudo aquilo que reflete sobre a vida, reflete também sobre a morte. É uma série que simplesmente não te ensina nada, não te passa absolutamente nenhuma mensagem sobre o que a vida deve ser. Mas sim, te mostra tudo (ou quase) do que a vida é. Às vezes a série te diz que você deve aproveitar a vida, porque ela é curta. Como uma frase tosca de mensagem do dia do Orkut. No mesmo episódio, ela pode te dizer que a vida não é nada disso. A vida é aquilo que você deixa pros outros. E, numa série de paradoxos, como é a própria vida, a série te incita a pensar. E pensar não-conclusivamente. Você não vai chegar a uma conclusão sobre nada. E isso é foda, porque nos incomoda tanto, justamente porque é uma verdade absoluta: a vida é completamente inconclusiva. E tem uma série de coisas incompreensíveis.

É quase uma tarefa estressante tentar convencer alguém a ver a série. Porque não há muito o que dizer, não há cenas ou pontos isolados que a façam parecer interessante. A série é ótima porque é sinérgica: todos os inúmeros elementos, discussões, tramas e subtramas se unem e formam um todo extremamente mais poderoso (e isso acontece durante todas as temporadas, é uma série extremamente constante no nível de qualidade). É uma série que fala demais de relacionamentos, mas não é uma série sobre isso. Fala muito sobre gays, mas também não é uma série gay. Fala sobre traição, sobre criação, sobre família, sobre fé, sobre violência, sobre arte. Mas não é uma série sobre nada disso.

Eu acho que a melhor forma de definir a série é o que um colega meu me disse. Eu o indiquei a série e o incentivei a vê-la. Ele viu e se interessou, mas aquilo que eu o dizia (mano, é muito foda!) não parecia fazer sentido. Não era tudo isso. E com o tempo ele foi mudando de idéia e comentando cada vez mais a respeito. Aliás, isso aconteceu com dois amigos. E cada vez ele foi concordando mais de que a série não é nada além de incrível. Porque é tudo tão real e, por mais que soe loucura em algumas partes, tão normal, que demora pra aquilo encantar. Não é como, sei lá, um mundo paralelo, não é como ficção, nada ali é fora do ambiente do dia-a-dia. E talvez a vida não seja encantadora. Além do que, os personagens demoram a se tornar pessoas. No começo, elas parecem alegorias, clichês e problemas específicos encarnados em alguém. E, com o tempo, você as vai vendo como pessoas. Como pessoas perfeitamente plausíveis. E acompanhar a vida deles torna-se um hábito como o de ver uma novela. Como a sua tia faz.

o-clone-21

Não ESSE tipo de novela

Simplesmente você sabe que eles não serão felizes para sempre no final.  Você sabe que eles podem ser uns canalhas a qualquer momento. E pessoas incríveis no outro. Você os vê sendo egoístas, e não importa se o personagem é o protagonista. Se alguma coisa ameaçar a vida deles, você fica tenso porque eles podem SIM morrer – ao contrário da mocinha da novela que VAI sobreviver não importando se um meteoro caiu na testa dela. Nada é óbvio.
Eu já pensei em milhões de definições centrais pra série e, não adianta, nenhuma é completa o suficiente. Esse texto mesmo ainda está superficial. Talvez o foco da série mude dependendo do personagem. Pode ser uma série sobre o processo de aceitação do fim e da morte (e aqui eu confesso que foi o ponto que sempre pegou pra mim), pode ser uma grande cartilha que ensine as pessoas que, sei lá, veem filmes demais do ashton kutcher que estar apaixonado e com um bom relacionamento não tem nada a ver com estar feliz – e que amar alguém também não se signfiica estar apto a relacionar-se com ela. Pode ser uma série sobre o fato de que tudo se vai e alguma hora pode acabar voltando.  Uma série sobre estar, na verdade, sempre sozinho. Sobre identificar e aceitar a sua parcela de egoísmo, e perceber que isso é humano. Sobre surtar diversas vezes e ainda ser perfeitamente comum e ordinário.
Como eu vou definir algo que simplesmente é sobre a vida e a morte? Duas coisas que ninguém consegue definir.

Só sei que acho genial perceber algumas coisas tão reais que dá vontade de mostrar pras pessoas e dizer “olha, não só eu que sinto isso, porra!”. A série acaba te familiarizando com o seu próprio lado solitário. É quase uma terapia, é uma ferramenta de auto-conhecimento. SIM, EU SOU UM PAGA PAU, DEIXA EU, PORRA!

Seja quando você se vê constantemente “preso”, como o Nate. Seja quando você acha que tem direito a uma vida particular, como a Claire. Seja quando você sente que tudo está sempre escapando das suas mãos, como a Ruth. Seja quando você simplesmente não consegue conter a vontade de fudida de trepar com alguém, não importanto todo o resto, como a Brenda. Seja quando você enlouquece e ainda assim não tem culpa disso, como o Billy. Ou então quando você só quer sair espancando todo o mundo, como o Keith. Você VAI se ver nesses personagens, em mais de um deles e em mais de uma vez.

Acho que o mundo seria mais interessante se tivessem menos pessoas vendo House e aquela ironia e profundidade humana extremamente plástica (e achando aquilo buuuniiito) e mais pessoas que vissem Six Feet Under, com a Claire dizendo que odeia todos e todo mundo e que não aguenta mais isso, ‘cause that sucks.

Enfim, isso é tudo que eu consigo dizer sobre a série antes que isso aqui vire artigo científico. Ainda sinto que não cheguei no 10% do que eu gostaria de dizer. E isso sempre acontece.
Enfim, veja a série, acompanhe a excelente trilha sonora, veja atores fudidos atuando, tenha vontade de ver a abertura boa pra caralho toda vez que vai ver um novo episódio e chore por, sei lá, uma meia hora no series finale.

Se você precisa de um exemplo sensorial que te convença, veja algum dos trailers promocionais (o 3 e o 4 são os melhores) das temporadas pra perceber que o cuidado que os produtores tinham com tudo relacionado a série só podia denunciar algo incomumente bom.

Enfim, vi pouquíssimas séries completas na vida e ainda assim já sei que provavelmente não existe uma melhor. Assim quando você conhece alguém, se apaixona e tem certeza de que não deve haver alguem mais foda. É plausível, não é?

Six Feet Under, 2001-2005.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Críticas/Resenhas

Tags: , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

21 Comentários em “Porque você TEM que ver Six Feet Under”

  1. Thaianie Says:

    Oi, obrigada pela resenha/crítica ajudou muito a querer assistir a serie.

    Só quero lhe dizer uma coisa, se vc nao assistiu uma serie ate o final vc nao tem o direito de criticar ela, criticar HOUSE definitivamente não foi legal.

    No mais, irei voltar aqui quando terminar essa serie Six Feet Under pra dar a minha opinião, um abraço!


  2. Só passando pra elogiar o texto e deixar meus sentimentos sobre a falta que a serie vai me fazer

  3. jesse Says:

    Acabei de ver essa serie, e foi simplesmente a melhor serie que vi na vida, e seu final nao tem melhor. Sinceramente ja esperava algo semelhante, por causa do titulo do ultimo episodio, mas nao imaginei que seria orquestrado de uma maneira tao bela, e emocionante. Vc assiste essa serie, e ve em cada episodio, como aquilo faz total sentido em sua vida diariamente. Engraçado que ficamos tristes com a morte de personagens, mas quando chegamos ao seu final, vc percebe, como aquilo e natural, e que a vida de todos, nos leva a um unico destino. Nao importa quando, ou como, apenas importa que todos um dia deixaremos essa vida.

    Maravilhosa, e impossivel passar por essa serie, sem ela fazer diferença na sua vida. Fiquei igual a pessoa que escreveu esse Post. Nao estou conseguindo ver outra serie por enquanto, e apenas fico com aqueles momentos finais da serie na minha cabeça.


  4. Essa série é INCRÍVEL, fora que o último episódio é impossível você não se comover. Eu vi 3x e a minha dúvida é saber em qual eu chorei mais. rs

    Acredito que qualquer um que assista, tende a se tornar uma pessoa melhor, mais reflexiva. Não tem como…

    Aconselho a assistir com calma e não fazer “maratona”. Eu vi um pouco com pressa (2 episódios por dia) e já achei rápido. Os temas são densos e te fazem pensar…. não estou dizendo que a pessoa não vai entender, mas talvez reflita e pense menos do que deveria. Inclusive.

    Obs: Excelente texto sobre a série!


  5. Mais de 5 anos que tem essa texto, e 10 anos da series finale, mas não achei uma resenha melhor sobre. Até por que é um texto claramente de um fã que reconhece a beleza que a série possui. Não vou dizer muito, mas vou ao menos deixar meu comentário de que após esse tempo todo ainda não assisti série melhor. E a essência não se perde com o tempo, afinal o tema de vida e morte nunca deixa de ser verídico e atual. Uma obra de arte que criaram com esse elenco e roteiro. Lindo demais.


  6. foi a coisa mais incrível que ja vi em toda minha vida. só.

  7. Carol Prospero Says:

    Terminei a série hoje e já estou em abstinência. Você disse muito do que eu estava pensando sobre ela: aborda vários temas, mas não é sobre nenhum deles. É sobre vida e morte, o que significa que é sobre tudo o que acontece ao ser humano. E, de fato, eu demorei um pouco a me encantar com as personagens, porque todos aparecem não só com qualidades, mas com defeitos, e isso afasta de início, embora cative cem vezes mais depois (sua fala sobre o egoísmo foi perfeita, é exatamente isso). Uma das coisas que mais admirei foi o tempo que o roteiro dá para os acontecimentos se desenvolverem. O acontecimento dramático que ocorre no final da 3a temporada tem um arco de 4 episódios no final dela e tem repercussão direta em toda a 4a temporada. Isso é incrível! É a vida de verdade. Não é como a maioria das séries, que abre e fecha um problema no mesmo episódio. Na vida, eles voltam, dependendo do que a gente está vivendo. É difícil superar. Quando vemos o homem do capuz vermelho (não vou falar quem é) sendo visto pelo David ainda no último episódio, percebemos o quanto é difícil superar. Enfim, minha empolgação com a série é extrema e foi uma das melhores coisas que já vi na TV, sem sombra de dúvida. Mas não é todo mundo que consegue encarar. Para aqueles que eu acho que vão conseguir, eu recomendo.

  8. Cristina Says:

    Seriado fantastico! Ja estou assistindo novamente…:)


  9. Terminei de assistir a série há pouco menos de 24 horas e estou triste até agora. Chorei igual a uma criança e estou com aquela vontade de ficar falando durante horas: “A série é foda! Foda! Foda! Vocês precisam ver Six Feet Under”.

    Não consegui parar de pensar sobre o final, os rumos que cada personagem tomou. Tô tentando detalhar em pensamento o que aconteceu com cada um e vendo como tudo foi finalizado.

    Das séries que eu assisti (inteiras), Six Feet Under é a mais foda. A melhor de todas. 5 temporadas sem enrolação. O texto não tem barriga. Não tem fala desnecessária. Não tem cena que seja apenas pra atrair audiência. Não tem tempo perdido. São mais de 50 episódios de pura emoção. Fiquei triste em muitos momentos, fiquei puta com quase todos os personagens por algum momento, fiquei triste por eles, fiquei com pena.

    O final foi perfeito. A dimensão que eles conseguiram passar do que é a vida e do que é a morte é incrível. Você sente uma tristeza e uma nostalgia fora de série.

    O elenco é incrível, o texto é lindo, as tramas são reais, os personagens reais. Vou sentir saudade de assistir Six Feet Under, a melhor série que já vi na vida.

  10. donafartaa Says:

    Minha irmã viu a série há algum tempo e no Natal de 2010, me deu todas as temporadas de presente.

    Achei que houvesse algum exagero na empolgação dela quando repetia exaustivamente “Você PRECISA ver Six Feet Under”, e por N fatores como correria, trabalho, blablabla, os DVD´s foram para a gaveta e lá ficaram por mais de 1 ano, sem que eu tivesse tempo ou coragem de começar a ver do 1o. episódio pra tentar pegar gosto e acompanhar.

    Somente agora, num tedioso dia deste começo de 2012, resolvi desenterrar os DVD´s e dar uma chance à série.

    O resultado é que não consigo deixar minha irmã em paz com os comentários que mando por SMS toda hora a cada episódio que vejo, e também faz alguns dias que tenho dormido pouquíssimas horas porque simplesmente não consigo ir deitar sem deixar tudo continuar rolando, como se fosse minha própria vida em algum tipo de perspectiva. Não consigo parar de ver, estou completamente envolvida e isso porque estou apenas no começo da 2a. temporada.

    Sensacional! Volto pra deixar outro comentário quando terminar de ver!

    Abraços!

  11. Jerri Says:

    Matou a pau com sua reflexão, mesmo não tendo dito 10% do que a série é, eu não disse nem 1% na minha 😦

    E quanto a séries ducaralho, sugiro ROMA e TWIN PEAKS, que junto com essa, são as 3 melhores que já vi na vida.

    Paz.


  12. […] Se você ficou em dúvida e tiver paciência dê uma olhada em duas “críticas” sobre a série : Cinemabox e Desfoque […]


  13. […] elenco assombroso, o realismo absurdo e o roteiro fodido. E com todo o puxassaquismo que eu já fiz neste post. E Six Feet Under me lembra séries, que me lembra a série que eu tô vendo agora, Battlestar […]

  14. claudio Says:

    quando essa série começou a passar no sbt eu fiquei louco pra assistir,mas devido a outros compromissos ( trabalho) não pude acompanhala.mas eis que graças a pirataria mais uma(a ultima pra ser mais exato)locadora aqui da minha vila faliu e adivinhe,as 5 temporadas de six feet under em ótimo estado no valor de 20 reais cada(de uma coisa tão ruim tinha que vir uma boa não é mesmo). me junto ao coro que proclama a série como a melhor de todos os tempos,e olhe que só estou na segunda temporada !

  15. Silvio Says:

    Eu não sei… fico perguntando como uma série com um tema tabu (morte) conseguiu espaço num canal que faz parte do mainstream da comunicação e entretenimento global.
    Na minha opinião é a melhor séries de todos os tempos, porque aborda de forma corajosa a nossa vida (que não é perfeita) e te diz o tempo inteiro : você vai morrer também! Impossível alguém sair da série ileso, sem ter pensado nos diversos temas abordados na série. Nunca vi alguma série abordar com tanta verossimilhança o tédio, o vazio que existe na vida das pessoas em algum momento de suas vidas. Por exemplo: tem uma cena em que uma mulher mata o marido com uma golpe violento de frigideira na cabeça. É hilariante, é humor negro, mais é massacrante também…
    Eu não me importo mais em indicar a série pra ninguém, porque qualidade e conteúdo são coisas cada vez mais rejeitadas pelo “grand” público, que quer ver coisas empacotadas, artificiais, superficiais, “bunitinhas”, pra se divertir sem compromisso, ou espantar o tédio, muito diferente do que Six Feet Under faz: jogar toda a nossa própria humanidade em nossa cara. E nisso são perfeitos.

  16. Fabio Says:

    Ufa, foi quase um artigo científico sobre séries…Hheheheh
    Brincadeiras à parte. Gosto mto destas indicações “undergounds”. Pessoas indicando House existem VÁRIAS, pessoas indicando Six Feet Under até agora só vc. É uma pena que não tenho o maldito canal, então vou ter que torcer para alguma emissora brasileira comprar, rezar para não haver cortes e suplicar que a dublagem seja bem feita.
    Atualmente estou gostando de séries, me viciei em Heroes, principalmente depois de descobrir que não se trata de uma série de super-heróis e sim sobre poderes e como eles poderiam ser nocivos se existissem. É um outro olhar sobre o tema. Pelo visto essa é a proposta da série em questão.

    Obs.: o fato do roterista ser o mesmo de Beleza Americana já é um GRANDE indício de que sua sugestão é boa.

    • isaac Says:

      passa no sbt, em horários obscuros :p
      a dublagem é ótima. a melhor em séries, junto com sopranos, oz e a maioria que é feita pela hbo.

      rapaz, alugue ou baixe. vale a pena até comprar.


  17. Dessa vez eu estava mais suscetível a chorar haha chorei por uns 15 minutos de sair lágrima mesmo

  18. isaac Says:

    tu chorou dessa vez no final? :p
    quando eu vi, chorei seco naquela hora que foca nos olhos da claire.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: